Nova rodada de reuniões sobre o projeto da ferrovia paraense, agora com a estatal russa RZD

Após a reunião desta semana com a gigante China Railways Corporation (CREC 10), o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Adnan Demachki, e seu adjunto, Eduardo Leão, reuniram-se na tarde desta quinta-feira, 5, em São Paulo, com a empresa Russian Railways (RZD), para avaliação dos estudos que a RZD faz sobre os projetos da Ferrovia Paraense, desde agosto de 2017, quando ocorreu o primeiro encontro entre o secretário e os russos, no Rio de Janeiro.

Liderando a equipe russa, o diretor-geral, Sergey Pavlov, informou que os engenheiros da empresa declararam o projeto viável após análise profunda e detalhada do projeto. Os executivos da RZD aproveitaram para esclarecer dúvidas sobre as questões portuárias, conexão com a Ferrovia Norte Sul, cronograma de licitação e licenciamento ambiental.

Sergey Pavlov disse expressamente que o interesse maior da RZD é vencer a licitação da ferrovia Norte-Sul, malha federal que é um tronco principal que interliga o Norte ao Sul do País e conecta através de outras malhas o Porto de Santos. No entanto, ele ponderou que como a Ferrovia Paraense conecta com a Ferrovia Norte Sul, a empresa acha estratégico ter a alternativa do Porto de Barcarena.

Para Sergey, o projeto é interessante, mas ainda melhor é o processo, ou seja, o esforço do Governo do Pará em oferecer o diferencial ante os demais projetos de ferrovias federais. O projeto ferroviário paraense já tem em curso o licenciamento ambiental sob análise da Semas (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidades), bem como isenção de impostos na aquisição dos equipamentos e locomotivas, e um outro ponto de destaque do avanço da proposição para uma estrada de ferro no Pará, é a desapropriações da faixa de servidão do traçado do futuro empreendimento. ”Isso não se vê nos demais projetos”, concluiu o diretor-geral da RZD.

Da reunião ficou ajustado um encontro da RZD russa com a CREC chinesa para ambas avaliarem a possibilidade de uma parceria entre os Grupos. O diretor da RZD fez questão de apresentar ao secretário Adnan Demachki a publicação da SCI Verkchr Gmbh, conceituada empresa de consultoria em logística, com sede na Alemanha e atuação em 70 países. A publicação informa, com destaque, aos seus clientes, que o projeto da Ferrovia Paraense é um dos 10 maiores e mais viáveis até 2022. Detalhe, no ranking das malhas ferroviárias mais estratégicas para o mercado global, não há nenhum projeto federal brasileiro.

O secretario Adnan Demachki ficou contente em saber que um projeto robusto com somente dois anos de construção está entre os 10 projetos ferroviários do mundo. ”O Pará já é vitorioso em colocar de pé um projeto de tamanha envergadura,0 complexo, e ser reconhecido por uma das maiores empresas de consultoria do mundo. E se não bastasse, nossa proposição de ferrovia atrai interesses de grandes grupos, e vem sendo avaliada para investimentos por duas das maiores empresas do setor ferroviário do planeta. O encontro contou também com o assessor técnico da Diretoria de Concessões, da Sedeme, Jorge Silveira; e do consultor Frederico Bussinger.